Essa jovem, Joana d’Arc, foi posteriormente chamada de “a donzelade Orleans”.

 

Nos Passos de Joana D’Arc

 

Estátua de Joana D’Arc em Chinon

 

 

Uma viagem que começa na Lorraine (no vilarejo de Domrémy), que prossegue por Chinon, Orléans, Reims, para terminar em Rouen…por onde ela passou existem ainda vestígios que podem ser vistos…

 

Figura de orgulho da história da França, Joana D’Arc (Jeanne d’Arc) comanda uma guerra para liberar seu país da invasão inglesa no século XV. Respondendo a um apelo divino, ela ajudou Charles VII a se tornar o rei da França. Ela pagou um preço alto pelas suas convicções, pois foi condenada por heresia e queimada viva na fogueira em Rouen, em 1431.

 

Casa aonde Joana D’Arc nasceu

 

Joana d’Arc nasceu por volta de 1412 em Domrémy, na Lorraine.

 

Ela cresceu na época que a Guerra dos Cem Anos acontecia na França. O rei da Inglaterra Édouard III revindicava o trono da França, mas a nobreza francesa se recusava e queria que a coroa fosse para o filho de Charles VI, o delfim Charles.   

Aos 12 ou 13 anos, ela declarou ter começado a ouvir vozes. Essas vozes celestes lhe ordenavam a levar o Delfim ao trono e a liberar a França da presença inglesa. Ela resistiu durante quatro anos para responder a esse apelo.

Obediente às vozes que ouvia, Joana partiu à Vaucouleurs para encontrar o capitão Robert de Baudricourt, representante do delfim Charles e o convenceu a conseguir uma audiência.

Castelo de Chinon

 

Uma profecia anunciava que uma virgem vinda de Lorraine salvaria o reino.
Joana d’Arc partiu para Chinon para encontrar o futuro Charles VII.

Diz a lenda que ela conseguiu reconhecer o futuro rei, mesmo ele estando com roupas simples, entre vários homens. Ela lhe falou das vozes que ouvia. Desconfiado, Charles a submeteu a interrogatórios por autoridades religiosas de Poitiers, que verificaram também sua virgindade.

 

Castelo de Chinon

 

Ela fez quatro previsões: os ingleses sairão de Orléans, o rei será coroado em Reims, Paris entrará no domínio real de Charles, e que o duque de Orléans voltará do seu cativeiro na Inglaterra.  Charles aceitou lhe confiar um exército para liberar Orléans dos ingleses.

A “Pucelle” partiu para Orléans vestida com uma armadura e uma espada.

Na noite de 7 a 8 de maio de 1429, Joana conseguiu a vitória contra os ingleses e a notícia se espalhou por toda a França. Ela continuou seu caminho para Reims…  Em 17 de julho de 1429, Charles foi coroado rei da França na catedral de Reims, na presença de Joana e se tornou Charles VII. Resta a Joana agora ir à Paris para tentar liberá-la.

 

 

Orléans

Casa de Joana D’Arc em Orleans

De Tours, onde ela recuperou sua nova armadura, Joana foi à Orléans. Ela entrou pela Porte de Bourgogne em 29 de abril de 1429 e dormiu na casa de Jacques Boucher, tesoureiro geral do duque de Orléans, hoje casa de Jeanne d’Arc.

Em 8 de maio, ela liberou a cidade com a tomada do Forte des Tourelles. Antes da batalha, ela se recolheu na igreja Saint-Paul e após, comungou na catedral Sainte-Croix.

Ela foi feita prisioneira em Compiègne, em 23 de maio de 1430 pelos Bourguignons, que a venderam aos ingleses por 10.000 libras.

Todos os anos, Orléans celebra sua heroína com as “Fêtes Johanniques” que acontecem entre 29 de abril e 8 de maio. Essa manifestação tem o segundo maior desfile militar da França, várias animações e mercado medieval.

Rouen

Tour Jeanne d’Arc em Rouen

Da Tour de la Pucelle, aonde ficou presa, só restam alguns traços, no número 102 da Rue Jeanne-d’Arc.

O donjon, batisado Tour Jeanne-d’Arc, é o único vestígio do château de Philippe Auguste. Ela foi levada à Rouen para ser julgada por um tribunal. Foi acusada de heresia e foi queimada viva na Place du Vieux-Marché em 30 de maio de 1431. Até o último momento, o rei Charles VII nada fez para libertá-la.

Cheio de irregularidades, o julgamento foi anulado pelo Papa Calixtus III em 1456, e um segndo julgamento afirmou sua inocência. Ela foi beatificada em 1909 e canonizada em 1920.

Seu destino trágico inspirou escritores (Shakespeare, George Bernard Shaw, Jean Anouilh…), cineastas (Victor Flemming, Roberto Rossellini, Luc Besson…) e músicos (Verdi, Tchaïkovski).

 

 

 

Local da fogueira aonde Joana D’Arc morreu, em Rouen
 

 

 

Arqueólogos encontraram a localização precisa do martírio. Em frente ao local da fogueira está o pequeno museu  Jeanne-d’Arc e sua galeria de cera.

 

 

Fonte: http://dicasdefrances.blogspot.com.br/2012/10/nos-passos-de-joana-darc.html

 

 

Sua energia ainda está presente no mundo,  a bruxa urbana trabalha seguindo os passos de Joana D’arc…

 

 

 

PAX profundis .’. beijos da Bruxa Urbana. S.G::